• Fábio Malavoglia

Episódio 32

A Poesia e as Cidades Textos do Episódio


 

William Blake

“London”


I wander thro’ each charter’d street,

Near where the charter’d Thames does flow.

And mark in every face I meet

Marks of weakness, marks of woe In every cry of every Man,

In every Infants cry of fear,

In every voice: in every ban,

The mind-forg'd manacles I hear


How the Chimney-sweepers cry

Every blackning Church appalls,

And the hapless Soldiers sigh

Runs in blood down Palace walls


But most thro' midnight streets I hear

How the youthful Harlots curse

Blasts the new-born Infants tear

And blights with plagues the Marriage hearse


................................................. Londres

William Blake

Tradução de Fabio Malavoglia


Eu vago por cada rua traçada Por perto de onde o rio escoa E noto em toda face a unhada no imo aflito e fraco das pessoas E ouço em cada grito de Homem,

Em cada grito de medo da Criança,

Em cada voz que as censuras domem,

Das algemas da mente o som e a herança


Como gritam os meninos limpadores

Das fuligens da Igreja e chaminés,

E os Soldados que suspiram suas dores

Pelo sangue que ao Palácio rega os pés

Só pior pelas ruas à meia noite

A blasfêmia é ouvir da jovem Puta

Ao recém-nascido choro como açoite E aos Casados a sua praga e sua cicuta.


 

Natália Correia (1923 – 1993)

Cidadania

Buquê de ruídos úteis

o dia. O tom mais púrpura

do avião sobressai

locomovida rosa pública.


Entre os edifícios a acácia

de antigamente ainda ousa

trazer ao cimo a folhagem

sua dor de apertada coisa.


Um solo de saxofone excresce

mensagem que a morte adia

aflito pássaro que enrouquece

a garganta da telefonia.


Em cada bolso do cimento

uma lenta aranha de gás

manipula o dividendo

de um suicídio lilás.

 

Silenzio Giuseppe Ungaretti Conosco una città

che ogni giorno s'empie di sole

e tutto è rapito in quel momento


Me ne sono andato una sera


Nel cuore durava il limio

delle cicale


Dal bastimento

verniciato di bianco

ho visto

la mia città sparire

lasciando

un poco

un abbraccio di lumi nell'aria torbida

sospesi. .................................................


Silêncio

Giuseppe Ungaretti

Tradução Fabio Malavoglia Sei de uma cidade que a cada dia resplende de sol tudo ele rapta em tal momento


Certa noite fui-me embora


No peito ainda o estrilo das cigarras


Do mercante envernizado e branco olhava minha cidade a sumir deixando algo de um abraço de luzes no turvo ar suspensas


 

Awaking In New York Maya Angelou Curtains forcing their will against the wind, children sleep, exchanging dreams with seraphim. The city drags itself awake on subway straps; and I, an alarm, awake as a rumor of war, lie stretching into dawn, unasked and unheeded.

.................................................

Acordando em Nova York Maya Angelou tradução de Fabio Malavoglia Cortinas forçam seu desejo contra o vento, crianças dormem, trocando sonhos com o serafim. A cidade se arrasta pendurada pelas alças do metrô; e eu, em alarme, acordo como um rumor de guerra, que se espalha na aurora, indesejado e despercebido.


 

Jerusalem William Blake And did those feet in ancient time

Walk upon England's mountains green?

And was the holy Lamb of God

On England's pleasant pastures seen?


And did the Countenance Devine

Shine forth upon our clouded hills?

And was Jerusalem builded here

Among these dark Satanic mills?


Bring me my Bow of burning gold:

Bring me my Arrows of Desire:

Bring me my Spear: O clouds unfold!

Bring me my Chariot of fire.


I will not cease from Mental Fight,

Nor shall my Sword sleep in my hand

Till we have built Jerusalem

In England's green and pleasant Land.


.................................................


Jerusalém William Blake Tradução Fabio Malavoglia E tais pés pois num tempo antigo andaram em verdes montes ingleses e foi o Cordeiro de Deus santo visto nos doces prados desta terra às vezes! E a luz de Deus e seu Semblante brilhou nas nuvens das colinas? E aqui erguemos Jerusalém em meio a tais Satânicas Usinas? Tragam-me o Arco áureo flamejante; Tragam-me as Flechas desse meu desejo: Tragam-me a Lança: ó nuvem se levante! Tragam-me o Coche de Fogo que almejo! Eu não desistirei da Luta Espiritual Nem dormirá a Espada que à mão se aferra Até que em nós Jerusalém se erga Na verde e doce pátria da Inglaterra


 


A Mensagem Reencontrada Louis Cattiaux

Livro XXXII, versículos 20 e 20’

20. Atravessaremos a ponte para alcançar a cidade santa do Senhor de vida, de amor e de paz.

20’. Ou a abandonaremos para nos estabelecer na selva hostil. Assim, de qualquer maneira não obstruiremos a passagem preciosa.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo