• Fábio Malavoglia

Episódio 26

RABELAIS E O VINHO ADIVINHO Textos do Episódio

 

Aos leitores François Rabelais tradução Fabio Malavoglia


Amigos leitores que este livro ledes,

Despojai-vos de toda afetação,

E ao lê-lo, do escândalo descredes:

Não contém mal nem infecção.

Certo é que nele pouca perfeição

Aprendereis, salvo no que se refere a rir;

Nenhum outro tema pode meu coração seguir,

Vendo o duelo que vos mina e consome.

Mais vale de riso que de lágrimas redigir,

Posto que rir é o próprio do homem.

 

Parêntese rockeiro Fabio Malavoglia


Parêntese roqueiro no clássico relato (volume nos seus fones, a história é dos Stones): um dia numa entrevista com Keith o guitarrista alguém lascou no ato “o que tu mais detesta?” e ele pela fresta entrou qual pé de vento e disse...: (longa pausa) “argumentos!” E isso é igual ao dom da Blanche du Bois

que diz: não liga a luz! não quero nem saber das coisas como são e aquilo que não há mas sim como supus na alma e coração que deveriam ser e como há alguns momentos repito aqui o refrão e não me venha com... (longa pausa) argumentos.



 

A Divina Comédia Inferno, Canto III, 10 a 15 Dante Alighieri original + tradução de Vasco Graça Moura Queste parole di colore oscuro

vid’io scritte al sommo d’una porta;

per ch’io: « Maestro, il senso lor m’è duro »


Ed elli a me, come persona accorta:

« Qui si convien lasciare ogni sospetto;

ogni viltà convien che qui sia morta »

..........................


Estas palavras em letreiro escuro

escritas vi por cima de uma porta;

e disse: « Mestre, o seu sentido é duro. »


Então ele, avisado, me conforta:

« Convém deixar aqui temor secreto;

Convém toda vileza seja morta. »


 

Epilemia ou O Canto da Divina Botelha François Rabelais original + tradução de Fabio Malavoglia

O Bouteille,

Pleine toute

De mystères,

D'une oreille

Je t'écoute :

Ne diffère,

Et le mot profère

Auquel pend mon cœur

En la tant divine liqueur,

Qui est dedans tes flancs reclose,

Bacchus, qui fut d'Inde vainqueur,

Tient toute vérité enclose.

Vin tant divin, loin de toi est forclose

Toute mensonge et toute tromperie.

En joie soit l'aire de Noach close,

Lequel de toi nous fit la tempérie.

Sonne le beau mot, je t'en prie,

Qui me doit ôter de misère.

Ainsi ne se perde une goutte

De toi, soit blanche ou soit vermeille.

O Bouteille,

Pleine toute

De mystères,

D'une oreille

Je t'écoute :

Ne diffère.


..............................................


Tradução de Fabio Malavoglia


Ó Botelha,

Toda plena

De mistério,

D'uma orelha

Ouço apenas

Não pretere-o,

E ao termo profere-o

Donde pende meu amor.

Pois em tal divino licor,

Que nos rins tem guarida,

Baco, da Índia o vencedor,

Tens a verdade em ti retida.

Vinho adivinho, longe de ti excluída

Seja a trapaça e a inverossimilhança

N’alegria seja a brisa de Noé mantida,

A qual de ti nos dá a temperança.

Rogo soes a boa palavra, sem tardança

E me aparte da miséria o vitupério.

Assim nem uma gota amena

De ti se perca, seja alva ou vermelha.

Ó Botelha,

Toda plena

De mistério,

D'uma orelha

Ouço apenas

Não pretere-o.

 


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo